Panamerican Journal of Trauma, Critical Care & Emergency Surgery

Register      Login

VOLUME 11 , ISSUE 1 ( January-April, 2022 ) > List of Articles

Original Article

Desafios na Implementação do registro de trauma em uma instituição da saúde suplementar no Brasil

Fernanda R Lima, Luciana F Teixeira, Ana BP Da Silva, Andrea VR De Araújo, Cristiane A Domingues, Renato S Poggetti, Almerindo L De Souza Júnior, Marcelo C Rocha

Keywords : Injury severity score, Patient safety, Trauma center, Trauma registry, Wounds and injuries

Citation Information : Lima FR, Teixeira LF, Da Silva AB, De Araújo AV, Domingues CA, Poggetti RS, De Souza Júnior AL, Rocha MC. Desafios na Implementação do registro de trauma em uma instituição da saúde suplementar no Brasil. Panam J Trauma Crit Care Emerg Surg 2022; 11 (1):31-33.

DOI: 10.5005/jp-journals-10030-1376

License: CC BY-NC 4.0

Published Online: 04-05-2022

Copyright Statement:  Copyright © 2022; The Author(s).


Abstract

Introdução: Registros de trauma são uma ferramenta fundamental para o funcionamento dos centros de trauma e o monitoramento contínuo do cuidado. Objetivo: Apresentar os desafios na implementação do registro de trauma (RT) em um centro de trauma da saúde suplementar no Brasil, organizado de acordo com os critérios do Comitê de Trauma do Colégio Americano de Cirurgiões. Método: Trata-se de um estudo observacional, descritivo, que apresenta os desafios e as estratégias utilizadas para implementar o registro de trauma na instituição do estudo, um centro de trauma nível II. Resultados: Como não está disponível no Brasil um RT nacional, optou-se pela compra de um software utilizado em centros de trauma norte-americanos; este processo demorou cerca de seis meses. Uma das grandes barreiras foi o idioma do programa (inglês); como estratégias, foi desenvolvido um dicionário com a tradução e a definição de todos os elementos do registro; além disso, foi feita a tradução do National Trauma Data Standard Data Dictionary para o português para melhor entendimento dos registradores. Outro grande desafio foi a preparação dos registradores, visto não existir um programa de treinamento no país; considerando a necessidade de conhecimentos de anatomia, fisiologia e clínica, optou-se por treinar enfermeiros na utilização do registro e na codificação da gravidade das lesões; esse treinamento foi feito por uma enfermeira com conhecimento do registro e de codificação de lesões. Conclusão: No período de um ano, mais de 400 doentes foram inseridos no registro, com todos os elementos preenchidos e os dados validados seguindo diretrizes internacionais. É um grande desafio implementar um RT em um país em que bancos de dados de trauma locais e regionais não estão disponíveis. A disponibilização de produtos nacionais, em moeda e idioma locais, facilitaria as negociações e permitiria que mais instituições pudessem adquirir um RT. Programas locais de formação permitirão o treinamento de mais profissionais e o aprimoramento e a otimização de todo esse processo.


PDF Share
  1. WHO - World Health Organization. Global status report on violence prevention – 2014 [internet]. Genebra: WHO; 2014 [citado 2021 out 05]. Disponível em https://www.who.int/violence_injury_prevention/violence/status_report/2014/en/
  2. WHO - World Health Organization. Injuries and violence - The Fact - 2014 [internet]. Genebra: WHO; 2014 [citado 2021 out 05]. Disponível emhttps://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/149798/9789241508018_eng.pdf?sequence=1
  3. Brasil. Ministério da Saúde. DATASUS. Informações de Saúde (TABNET). Estatísticas Vitais [internet]. Brasília; 2021 [citado 2021 out 05]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0205&id=6937
  4. Al-Thani H, El-Menyar A, Asim M, et al. Evolution of The Qatar Trauma System: the journey from inception to verification. J Emerg Trauma Shock 2019; 12(3):209–217. DOI: 10.4103/JETS.JETS_56_19
  5. Boyd DR, Rappaport DM, Marbarger JP, et al. Computerized trauma registry: a new method for categorizing physical injuries. Aerosp Med 1971;42(6):607–615.
  6. Nwomeh BC, Lowell W, Kable R, et al. History and development of trauma registry: lessons from developed to developing countries. World J Emerg Surg 2006;1:32. DOI: 10.1186/1749-7922-1-32
  7. ACS COT - American College of Surgeons Committee on Trauma. Resources for optimal care of the injured patient Latin America & Caribbean. Chicago: American College of Surgeons; 2018.
PDF Share
PDF Share

© Jaypee Brothers Medical Publishers (P) LTD.